INTERAÇÃO

Caminhando Juntos

VOLTAR

Por Antonio Daniel de Almeida Violante

Coordenador do Grupo de Relações Trabalhistas e Sindicais

Outubro/2011

 

Caro leitor, considere o clico da vida de um profissional na maioria das empresas. Ele passa pelo recrutamento, pela seleção, é admitido, treinado e capacitado para executar as funções pelas quais foi contratado. Em todo esse ciclo, houve investimento nessa pessoa. Que por sua vez, adquiriu um conhecimento precioso para seu desenvolvimento e para os fins da empresa. Os ganhos são recíprocos. Mas esse conhecimento, intangível por natureza, quando é aplicado no trabalho se transforma em algo palpável , em resultados para a empresa. Portanto , podemos afirmar que empregar bem esse conhecimento é uma das maneiras de se fazer a boa gestão de recursos humanos. Voltemos agora para o exemplo. Passado todo processo de admissão e capacitação, quanto aquele trabalhador contratado, que acumulou um conhecimento importante, vale para a empresa? Será que apenas cumprir as obrigações trabalhistas, pagar o seu salário e benefícios, recolher os encargos é suficiente? Cuidado, pensamentos rasos geram resultados mais rasos ainda para o negócio. Antes de responder, faça uma análise: as deficiências que temos na educação e a falta de padrão de ensino dificultam o trabalho de encontrar profissionais qualificados, em quantidade suficiente no mercado. Minha recomendação é simples. Considerando que profissionais bem qualificados e disponíveis tendem a ser cada vez mais raros, volte-se para a sua equipe. Esmere-se em treiná-la continuamente, em reter e motivar seus integrantes, fazendo com que se sintam importantes na estrutura e nos resultados da empresa. Gestão de pessoas também é investir nas relações humanas. Lembra do bom uso do conhecimento, que abordamos no início? Pois bem, potencialize a capacidade de sua equipe. O ser humano contribuiu com muito mais do que apenas executar as atividades profissionais diárias de forma mecânica e automática. Por vezes ele tem ideias que extrapolam sua responsabilidade ali no ambiente de trabalho. Então por que não ouvi-las? O fato de ele contribuir, de intervir para melhorar o ambiente, proporciona uma satisfação pessoal e traz ganhos de produtividade na equipe toda. Entenda seus recursos humanos como um parceiro importante para o crescimento do negócio. Duas observações finais, sabemos que precisamos investir nas pessoas, retê-las por meio de uma política de gestão equilibrada e proporcionar o melhor ambiente de trabalho. Mas é possível fazer uma revolução na empresa de uma hora para outra? É claro que não. Minha sugestão - adicione essa dimensão (gestão de pessoas) ao dia a dia da empresa e revise periodicamente suas ações nesta área. E a quem cabe cuidar do seu pessoal: ao presidente, ao dono da empresa? Não, essa pergunta não deve ser feita apenas pelo empresário, mas por todos os líderes. Não importa se você tem um único subordinado na sua estrutura, saiba que você é responsável por orientar seu time, desenvolver as pessoas, compartilhar estratégias, transmitir a elas o que a empresa espera delas como profissional e integrá-las ao negócio, pois gestão de pessoas é também um convite para caminhar juntos!


Compartilhe:  Bookmark and Share